1ro dia de trabalho..

.. 1ro dia da última temporada:

“Nas costas a mochila, na mente uma fila de ideias, e agora essa vai
Ninguem me ensinou a jogar, nem sabia o que vinha depois
Só me deram a chuteira, empurraram pro campo e disseram:
“Vai lá! sabe gol? faz dois”
Não pode pipocar, pipoca é o que mais tem
Por isso uns vão uns vem, uns vão uns vem, uns vão uns vem”

Anúncios

setembro 19, 2011 at 10:01 am Deixe um comentário

Saideira

Saideira

Ultimas férias, agora é trabaio fío!

setembro 14, 2011 at 8:04 pm Deixe um comentário

Velho camarada…

Intento de estudo, jogos da dupla, mais amigos e janta no zuca… EMICIDA VAI TA LA… ADoOOOOORO

setembro 1, 2011 at 5:14 am Deixe um comentário

Mantém-te com fome, mantém-te tonto!

Hoje não estou por escrever, o dia foi legal, mas deveria ser mas produtivo.. maldito inverno, eu devo realmente morar num lugar que faz um tempo que me desestimula?

Mas também tenho que pensar em algumas coisas que o Steve Jobs falou nessa formatura aí.
A parte dos Pontos Futuros é incrivelmente certo, me fala um pouco sobre fazer coisas que tu gosta, que alguma mão vai tricotar isso. E no fim faz sentido. Sobre o amor e perda, bem aí tem que pensar, da morte nao tem muito que pensar, tem que fazer.

agosto 31, 2011 at 3:51 am Deixe um comentário

Una vez más

Se eu voltar

Terei medo de prosseguir e sobrevoar o rio inteiro
Graças a Deus os meus olhos podem se abrir

Perceber a cor do seus”

 

Praticamente dois anos depois de parar de escrever volto a usar este blog . Eu completava um ano vivendo na Espanha e recém voltava das minhas primeiras férias no Brasil, hoje resolvo fazer o contrário. Bastante ao contrário. Provavelmente em minhas últimas férias no Brasil, faltando um ano para ir embora da Espanha. Efeito espelhado.

Traçando um possível ano de volta, a ponte-aérea POA-BCN se inverte e resolvo desenhar um caminho de retorno construído passo a passo. Por isso pretendo escrever quase todos os dias,  como é no sentido oposto não será com a periodicidade “quase-nunca”; como é ao contrário vai ser para mim mesmo. Até porque o principal motivo para não escrever mais por aqui foi justo a falta de audiência das minhas notícias. Daí fiquei quieto.

O silencio fez bem, fez diferente.

A falta de narrativa me levou á conversar pra dentro, a conversar sozinho, a ficar comigo, e a ficar só, e a me sentir só em mim mesmo.

A ideia é escrever quase todo dia. Mais para mim, por isso e PARA isso. Menos capricho, menos texto, mas algo que importe. Muita música, porque sem música não tem trilha sonora, senão alguma foto, algum trecho de livro, algum.

O título é explicativo.

Uma das coisas mais difíceis de “viver em castellaño”  foi aprender as inversões do que falamos em português, agora isso é o mais difícil de reaprender do português. Não foi o caso com o “Mais uma vez” que aprendi ser  “Una vez más” pela música do Natiruts, que é toda em português por sinal? Porque minha hipóteses é de que “uma vez más” é mais sonoro. O Calligaris (Contardo) disse certa vez que as hipóteses que criamos sobre as coisas que não entendemos nos diz mais sobre nós mesmos que sobre a coisa em si;  freudianamente HONESTO.

Por esse mesmo motivo de sonoridade creio eu que ganhei como herança da minha vida espanhola um montão de expressões que nunca mais deixarei de usar. Indeléveis.
A música foi a mesma que mandei para o Daniel Alemao quando foi para Austrália, lembro disso agora. Na época enviei um e-mail com uma interpretação junto, isso se perdeu… mas.. Será que se perde o que se dá? Acho que não, isso volta e re-volta. Veremos no que dá vasculhar nessa bagunça que eu fiz tentanto arrumar malas para ir de um lado para outro, de um país para outro, de uma casa pa outra de um Eu para um Outro. De um Eu para um Mim.

“Mas a tristeza que tinha em seu peito já foi embora”

A trilha: Una vez más – Natiruts

 

agosto 30, 2011 at 5:57 am 1 comentário

Carta 10

“I kissed you good bye at the airport. I held you so close to me.
I said ‘So here we are now and I can’t stop from crying Lilly’.
And you said ‘Hey hey hoo, you know this is the way to go.
You will forget about me when I’m on that plane.
Forget about me when I’m on that plane.’
Tonight tonight tonight tonight
I wanna be with you Tonight”
Billie the vision & the dancers

Amigo, amigos, há tempo que não escrevo, não como ameaça, pois os mais próximos já haviam sido devidamente avisados sobre esse ínterim de comunicação, dessas férias de verão da escrita, afinal tinha outras coisas mais importantes para procrastinar. Aqui na Europa chamam esse lapso de 3 meses da vida rotineira de Verano, é uma coisa parecida com o que acontecerá aí onde no céu se vê o Cruzeiro do Sul a partir de dezembro, só que com areia fina e biquínis que são como a estatística.

Já que falei da tal estatística segue a explicação científica, aqui no que entendo com meu portuñol Verano é quando a gente consegue ganhar dinheiro (e um monte de realizações no meu caso) ser colocado em algum lugar que inclusive eu merecia, mas que eles não souberam por não entender Guarany. Mas disso já contei, porque o tal de Verano foi quando eu pude ir para minha outra cidade, onde tenho outra casa em que agora sou visita e se não faço nada ninguém me xinga, pelo contrário. Só não sei se a melhor tradução para esse período foi chuva, férias, inverno ou estranhamento.

Creio que não é o momento de significar isso, se é que será possível, pois tenho coisas que talvez sejam importantes de fazer, construir um futuro e um doutorado talvez seja a opção mais correta. Aquela tua de viajar loucamente pelo Velho continente ainda é válida, mas tenho que me planejar, por sorte menos que tu, mas mais que o Cícero, afinal até hoje não consegui fechar bem aquela porta, sabe, os neuróticos que duvidam se acionaram o alarme ou fecharam o gás, por isso talvez tenha voltado, para conferir a porta e ficar mais seguro que tudo que eu preso mais estará seguro, é que nunca foi uma fuga.

Ah sim, fuga? Estatística? Ah é, por acaso terminei, entreguei e apresentei – e inclusive passei – no tal de mestrado, que na verdade é um máster (para coisas diferentes, nomes diferentes já disse um Brasileiro ao explicar para um uruguaio que Olimpíadas não pode contar como Copa do Mundo). Sem muita festa, nem tantas dificuldades, mas com bastante sintoma e aspectos de intervenção divina, como tu sabe que acontece. Espero de verdade que não seja assim contigo, pois isso sim eu tentei fazer diferente, mas não consegui, e talvez por isso um pouco de frustração, não com a nota mas com o processo, com o do Máster e não da vida que afinal me reservou boas cores novas nesses 14 meses.

Agora to com um projeto novo bem interessante, que é seguir um pouco mais o que alguém chamou de “desejo”, e por onde outro disse que “há que correr riscos”. É simples, porém um pouco pessoal para se tratar aqui e agora, mas pretendo explicar pouco a pouco. Porque sabe, fazer o que se quer é complicado, se você vê alguém rindo em meio a crise é porque ele já sabe em quem por a culpa.

Do esporte que se outrora jogou no Brasil, mas que venderam como a Vale e como vai ocorrer com o pré-sal eu não comento mais, treinar o meu novo time que é o B (de Banguzinho pois os bons vão para o A) é mais excitante e dá mais chances de ganhar algo que os times da Republica Juliana e do estado anexo no Sarneyzão 2009. Talvez uma solução para se ganhar novamente um título nacional seja um nova Revolução Farroupilha, com apoio dos países porteños. Imagina que beleza, deportaríamos (ou traficaríamos) a Yeda, o Kroeff e o Maradona para as favelas do Rio; o carrinho voltaria a ser legalizado, Fito Paez de ministro da cultura, costela e figada na cesta básica, Lugano de capitão da seleção, que teria ainda Mano Menezes, Lucas, Anderson e Sandro Goiano (devidamente naturalizado), Buenos Aires com “Tax-free”, pena de morte para o axé, Borges e Mario Quintana de leituras obrigatórias do vestibular, Analista de Bagé com busto na APPOA, 1ro ministro Luis Felipe Scolari e o presidente, o presidente claro, seria o Drexler. Não tem como dar errado.

Sobre sonhos, Charles de Gaulle, novidades e verões te deixo o Hit do tal Verano, ignore o vocalista acho que pegaram um crackoleiro nas ramblas para dublar, já que não é o mesmo sueco que estava no show deles na sexta passada, na fábrica da cerveja que é tipo a Brahma deles.

setembro 28, 2009 at 11:22 pm 2 comentários

Freud visita a Catalunya

Sonhei contigo hoje, foi diferente

Sonhei contigo, com meus pais, com a cidade natal deles e com a minha cidade hoje. Com um campo pra jogar gol-a-gol, com um aluno meu, o pai dele, e um monstrinho sorridente.

(Inho pq era pequeno)
que eu nunca vi na vida, e era um mostro mesmo,
daqueles bonitinhos de tao feio.

Tudo isso misturado.
E acordei com saudades, de tudo isso,
Tudo isso separado.

Menos do monstrinho claro,
Mas quem sabe, esse monstrinho, feio e bonitinho, que eu tentei pegar no colo e não consegui por ser tao pesado,
mas ao aproximar do meu pai coube na palma da minha mão
fosse apenas da saudade, criança de nove meses, uma representação.

maio 12, 2009 at 9:37 am 2 comentários

Posts antigos


Que tiempo se vive

Diario

setembro 2017
S T Q Q S S D
« set    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

De antes

Ritmo que pesa

  • 3,259 vecinos